Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

limbos verdes

limbos verdes

30 Out, 2022

🌪️

7683DD96-2E47-4BE4-884B-69428ADCAB2A.jpeg

 

nesta imagem uma pata de elefante - Beaucarnea recurvata - que está comigo há uns 8 anos. já esteve no interior aqui de casa e entretanto no exterior, desde que transplantei para um vaso maior.

há uns meses comecei a perceber no seu desenvolvimento uma diferença relativamente ao passado e a outras 3 plantas , desta espécie, que adquiri entretanto. a imagem não é muito boa mas com a descrição espero que consigam perceber: as folhas novas, quando surgem ao centro,  formam  uma espécie de hélice. todas as jovens folhas passaram a apresentar uma curvatura. movimento esse que é perceptível nos cerca de 4 primeiros círculos de folhas, antes de estabilizarem. 

como referi, esta planta está comigo há vários anos e sempre mantive alguma atenção - ao desenvolvimento da forma das folhas, caule, base do caule que se assemelha a uma pata de elefante. o que mudou entretanto para que este 'movimento' agora se verifique?

apesar de acreditar cada vez menos em coincidências não tenho como 'provar' a relação deste com o facto de eu ter escolhido incluir esta planta numa espécie de meditação/vision board que comecei a fazer há uns tempos e de forma regular,  assim como sentar-me perto dela várias vezes por semana e durante vários minutos de cada vez. e confesso que não me preocupa. mas para mim ela parece estar a responder-me da melhor forma possível. :)

(mais uma razão para considerar no sense falar  com as plantas e trazê-las para o mundo humano /psicológico dos conceitos em vez de explorar outras dimensões, como já referi nalguns posts)

23 Out, 2022

dos (novos) rumos

individuais e coletivos

 

não é um post sobre alterações climáticas em geral nem sobre a seca em particular. as tv's devem ter tido nestes últimos tempos  académicos a falar sobre estas questões de forma mais aprofundada, e bem.  é apenas o meu olhar para a natureza à minha volta num ano de seca severa e as inevitáveis memórias de tempos em que ninguém suspeitava que estes tempos - secos - viessem. é também um post onde regressam algumas perplexidades. e não gosto nada de fazer posts sobre elas. mesmo. é-me cada vez mais evidente. prefiro manter-me num outro registo/frequência/olhar. mas não posso fingir não as ter e fez-me sentido trazê-las aqui e agora. 


a mente gosta de contar histórias. organizar os eventos que ocorrem. arrumar, catalogar,... mas tenho aprendido que nem tudo interessa nomear.  estar consciente é importante, mas convém não seguir todos os caminhos 'psicológicos', não nos identificarmos com todas as percepções da mente. 
olho para os primeiros meses deste ano e lembro-me de identificar uma situação de seca  - na verdade logo em dezembro - que se foi intensificando ao longo do tempo. 

este post, de certa forma, começou a ser pensado nessa altura. depois foi ganhando outras formas à medida que o tempo passava. fui vendo 2 linhas paralelas: a falta de água- de vida - nos campos e a falta da podenga - na minha. 

o post mental foi sofrendo alterações ao longo do tempo. e, aqui chegado, recuei e decidi falar apenas da seca. e não é coisa pouca, porque estou a falar de algo com que estou profundamente envolvido. foi preciso vir a chuva novamente para que conseguisse falar da seca. 

 

a seca

tenho uma memória estranha deste inverno último. lembro-me de andar pela vegetação que envolve o castro - e que o cobre, visto  grande parte dele não estar visível, pois está debaixo de terra - e, ao contrário do ano anterior, emque a vida brotava à sombra dos zambujeiros com uma abundância encantadora -os mais diversos fungos e fetos cresciam por toda a parte- tive dificuldade em encontrá-los este inverno e os que existiam tinham algumas folhas  retorcidas, manifestando assim falta de água. os sinos azuis inexistentes, praticamente. o solo completamente seco. isto em dezembro/janeiro (!!!)  as temperaturas mínimas elevadas. sei que fotografei apenas uma imagem - folha de um feto em stress hídrico- mas devo te-la apagado inconscientemente pois não a encontro. ao longo de todos estes meses foi-me faltando coragem para deixar aqui este registo. 

 

4E576AFC-34A8-47BF-BCE2-8A6E5151574F.jpeg

antes e durante a primavera  fui notando a falta de humidade no solo pela quantidade de flores formadas/abertas - muito inferior ao abundante 2020/21. a grande maioria  das flores que fui por aqui postando - narcisos, anemonas, orquídeas, brizas, ... - surgiram timidamente ou nem se deu por elas. na imagem um pé de alcachofras com os botões florais formados mas que não conseguiram abrir pois secou completamente. foi este o cenário que por aqui se foi intensificando.
cada flor que não abre são milhares de flores futuras que ficaram por abrir. 

 

B633FA93-D359-4CF0-A40F-35CD765B5136.jpeg

a ribeira, muito diferente das minhas memórias de infância, em que apenas secava nos meses de verão e no fundo ficava visível areia. como os meses com falta de humidade foram tantos, a água foi escasseando e as plantas mais rápidas avançaram para o fundo. a imagem ilustra-o bem. mesmo nos meses de verão, nos anos 80, ao andar pela areia da ribeira seca, sentia presente um cheiro a humidade. explicaram-me recentemente que devido a pequenas nascente  é natural a humidade fazer-se sentir assim,  apesar de aparentemente seca. mas esses anos parecem tão distantes. 

[ curiosamente, uma das melhores recordações que tenho de ajudar o meu pai no campo, tem precisamente a ver com a ribeira e com água. assumo que grande parte das vezes, quando criança/adolescente, o trabalho agrícola era algo pesado e aborrecido. era assim que eu encarava muitas das actividades agrícolas em que o meu pai me colocava  - vindimar, apanhar tomate, ajudar na aplicação de produtos fito sanitários,... - mas regar era uma coisa que eu adorava fazer. passei tardes sozinho, rodeado por centenas de couves e um pequeno rádio a pilhas, onde também podia ouvir as minhas cassetes com o pop da época , a gerir a rega. a água vinha da ribeira, e eu tinha de a orientar para cada rego com uma pequena enxada. como adorei todas aquelas tardes! observar a água a chegar a cada planta, percebe-las mais vivas depois.]

 

o rio sizandro com alguma água, no mês de julho, precisamente onde as árvores salgueiro estão em maior quantidade. aí não se verifica a invasão de alguns géneros - caniçal incluído - como na imagem anterior. pequenos oásis proporcionados pela presença destas árvores. 

AB3BC55C-12A3-4E5B-B0DC-3D1BDE58AC3A.jpeg

de facto, a precipitação no início de 2021 foi já uma exceção. a quantidade de chuva tem diminuído de forma gradual nestas últimas décadas. voltando as memórias de infância: era habitual a ribeira  de pedrulhos- e o rio sizandro- encher e transbordar quase todos os invernos. conviver com esta seca é qualquer coisa de novo, que ainda falta integrar,  aprender a  lidar com esta nova realidade. basta olhar paraos dados da precipitação desde há 40 anos a esta parte ou/eouvir quem estuda estas matérias. a tendência está lá/cá. 
confesso que foram meses de um confronto estranho com esta realidade. crescer num local entre rios- ribeira de pedrulhos e rio sizandro- com a janela do meu quarto virada para uma antiga bacia hidrográfica. crescer a subir aos montes, procurar - e encontrar - o mar ao fundo, encontrar fósseis de amêijoas facilmente, ... podia não ser evidente/consciente para muitos, mas a água sempre esteve aqui presente. e perceber este local seco traz uma tristeza qualquer. 


e depois trazer aqui o problema dos plásticos. eles estão por todo o lado! e também por aqui. fiquei quase sem reação quando constatei que os participantes de uma prova de atletismo meia maratona, ao  passar pela eco via - que vai do centro de Torres até a foz do sizandro, junto  a praia azul,  foram largando no chão dezenas e dezenas de garrafas de plástico- de água e de bebidas energéticas- e que ninguém (!!) dos participantes como da organização estranhou tal atitude. isto num período em que se torna evidente para - quase - todos  a crise climática- com período de onda de calor e de seca severa. assim como continua a ser usual na prática agrícola, por alguns agricultores, deitar a terra sacos de adubo, embalagens variadas, restos de sistemas de rega de anos anteriores, ... 

numa zona onde tantos pequenos produtores cultivam habitualmente as suas  hortas, as pequenas parcelas de solo de onde foi tão difícil este ano  retirar o que antes parecia fácil. as árvores de fruto que deram muito menos fruta, as quebras na produção de uva. as ameixas de 'santo antónio' - as minhas preferidas- que frutificam em junho, mas que este ano quase não apareceram no mês habitual, mas sim em pleno inverno. na imagem seguinte algumas das minhas ameixeiras carregadas de flores e de novas folhas no início de outubro. as folhas antigas ainda não tinham caído já estavam a rebentar novas. florir no outono o que antes glória na primavera. é provável que algumas destas alterações já tivessem começado a ocorrer antes, mas com esta intensidade nunca tinha dado conta. 
6A31A241-0354-4AEF-86C4-BB47AA4B355A.jpeg

olho para tudo isto e sinto uma série de coisas. estas mudanças estão a ocorrer de forma tão acelarada e, como se tornou evidente este ano, têm um impacto direto na nossa vida, na nossa alimentação assim como na vida que nos rodeia - ecossistemas. está tudo interligado. somos todos chamados a fazer alguma coisa, a mudar comportamentos/consciências. temos de ser mais exigentes com as instituições. devíamos estar a fazer muito mais com o conhecimento que temos atualmente. é urgente lidarmos com o plástico que produzimos de outra forma. sermos eco pedagógicos. agindo já, estamos a correr atrás do prejuízo. então não dá para perder mais tempo. com estes anos de pandemia uma quantidade gigante de máscaras já chegou ou chegará aos oceanos num futuro muito próximo. ouvindo especialistas sobre os plásticos e a situação é alarmante:os plásticos visíveis na superfície dos oceanos são uma quantidade ínfima. a grande percentagem está no fundo do mar a dar cabo de ecossistemas. já chega de modelos de 'desenvolvimento '(!!!) que nos levam à destruição de vida desta forma.

é tempo de uma  ecosofia - ' corresponde ao restabelecimento dos laços perdidos entre o homem e a natureza (...) essa conexão nascida da sensibilidade ecosófica permitiria à humanidade redefinir o futuro da terra-mãe e, por conseguinte, garantir a sobrevivência da própria espécie.' michel maffesoli 

não sei, estes meses não me foram fáceis. senti muitas vezes que ninguém olha verdadeiramente para esta vida que ainda persiste por aqui. é difícil manter o otimismo. se a ribeira fosse limpa e plantadas árvores salgueiro ao longo das margens, os focos de humidade seriam bem maiores, preservando muitas vidas e servindo para regar a produção de pequenos agricultores aqui à volta. mas provavelmente as instituições que gerem estas 'coisas' só mudarão quando sentirem pressão das populações. 

nestes últimos anos a viver, de novo, nesta aldeia e foi a primeira vez que percebi uma maior preocupação das pessoas relativamente ao clima e à forma como nos relacionamos com o meio ambiente.

é importante perceber como agir, como nós vamos adaptar e enfrentar estes desafios individual e coletivamente, pois dizem respeito a todos. 

 

'a vida' é algo precioso que importa sempre preservar.
para concluir deixo aquiuma conversa com a teresa salgueiro , que tantas vezes ouvi integrada nos madredeus e ainda hoje volto a algumas dessas canções. não sendo ela especialista nestas questões é atenta, consciente e sensível e refere-se a natureza com um respeito que deve ser ouvido. deixo também aqui este vídeo onde ficou registada uma pequena parte da abundância - desta vida - que por 'aqui' cresceu no ano anterior: 

8F15DBD1-6BD5-49FB-8C23-A981D721C3FF.jpeg

uma fotografia a preto e branco de parte da aldeia, vista da vegetação, onde sempre preferi estar. pintei-a. é importante que saibamos preservar aquele 'verde'. 

 

 

23 Out, 2022

#layers

[ porque é domingo ]

864D133A-9FAF-4214-AF5A-E82BEB0711ED.jpeg

[ pão caseiro, saido há pouco de um forno a lenha, num outono chuvoso, como eram antes os outonos. lembra-me o som das vides a queimar  e aquecer  o forno a lenha na cozinha da minha tia e depois o conforto, o entusiasmo que sentíamos, sempre que aguardávamos a saída das broas e do pão doce. logo embrulhadas em panos, para manter a temperatura. entre sorrisos cúmplices provávamos ainda quentes.]

21 Out, 2022

(ser) terra

(ser) sol

CAB16FB1-E208-45E8-B8E8-4809E61E6692.jpeg

• raiz

(latim radix, -icis)

nome feminino

1. [ botânica ]  parte inferior das plantas, que geralmente cresce na direcção contrária à do crescimento do caule, com que elas se fixam ao solo e com que dele extraem água e sais minerais.

 

 

1A12B646-B0C4-479D-8B8B-7C5C774AC842.jpeg

• ' uma matéria verde vital

sem luz e sem água, as plantas verdes, exactamente por serem verdes, morrem rapidamente. com efeito, as plantas que nos rodeiam, das plantas com flores aos musgos, passando pelos fetos e por muitas algas, dependem da fotossintese: os seus tecidos contêm clorofila, um pigmento proteico de cor verde. 
a fotossintese é uma reação química que se produz sob a ação da luz. a partir do dióxido de carbono (co2) e água, os seres clorofilinos fabricam açúcares, elementos básicos da atividade química dos seres vivos. os açúcares podem ser utilizados imediatamente ou guardados como reserva. esta reação química produz um resíduo: o oxigénio. é sem dúvida um dos fenómenos mais importantes do mundo vivo, pois os seres fotossintéticos, sejam unicelulares ou muito complexos, estão na base das cadeias alimentares.'

 

in a fabulosa história da terra

 

[ há vários anos que pretendia tatuar a primeira árvore que plantei  no terreno. foi umcupressus sempervirens. desde criança que gosto de coníferas. a forma, o aroma resinoso. ainda bem que esperei até agora e fi-la com a consciência de hoje. olho para estas formas e vejo mais coisas: o meu cipreste, a minha relação com as árvores, a relação com a terra e com o sol e, simbolicamente, a relação com a mãe e com o pai. esta polaridade que nos fez vida.]

 

 

799EEA86-9051-4D77-81EA-45F73472742F.jpeg

09650EA3-3D09-4089-A779-BFA67988456D.jpeg

122D21F3-4B43-4B3F-941D-8E2BA2BBF633.jpeg
• nestes últimos meses iniciei-me como colecionador d' 'espadas de são jorge ' - sansevierias. durante muito tempo - infância, adolescência- foram -me indiferentes. habitualmente encontrava-as nas entradas dos prédios, com ar de pouco vigor. mas numa viagem à holanda, numa loja, encontrei uma dúzia delas alinhadas, cada uma no seu vaso de barro e vi ali alguma coisa nelas que nunca tinha visto antes. como não as utilizava muito nos arranjos de suculentas, apenas pontualmente, acabei por não produzir este género. há uns tempos comecei a comprar diferentes espécies que sei que me vão acompanhar nos amanhãs que estão por vir. 

 

5D698BB5-C1E2-479A-8810-2C247419B4A3.jpeg

• a coleção de t-shirts 'limbos verdes' continua a aumentar. têm sido usadas aqui na aldeia, basicamente, pois é raro sair daqui desde que deixei de fazer mercados e desde a morte da podenga. tem qualquer coisa de redundante andar com elas vestidas muito próximo dos locais habitados por estas plantas. que seja! :) 

 

84A77C45-74D5-4838-B1C2-060C576096A0.jpeg

• a terra que se quer fértil:

o outono é para mim o movimento de voltar à terra, tão bem representado pelas folhas das árvores e arbustos que se desprendem e com ela - terra - se misturam. fertiliza-la, prepará-la para alimentar 'novas vidas' que dela se irão erguer. este ninho representa esse movimento. caiu de uma conifera - cupressus leylandii - depois de ter cumprido a sua função. plantei-a há duas décadas. sabia-a habitada por rolas mas, vi agora, pela dimensão deste ninho, que pássaros mais pequenos também por ali vivem.  a conífera deixou ali um rasto no interior do ninho. uma folha de hera ficou pressa no lado externo, assim com uma pétala de rosa branca. 

• quando a luz regressa: 

este ano tem-me parecido uma viagem de 'montanha russa'. não quero aqui e agora nomear as minhas experiências/percepções destes últimos meses, porque interessa-me manter o foco para onde quero ir. digo apenas que depois da morte da minha podenga entrei em modo sobrevivência de forma violenta. felizmente vejo-me num outro momento agora. às minhas rotinas matinais, pré matinais na verdade - meditação, yoga- incluí um percurso de corrida de cerca de 5kms, até ao castro, onde visito alguns dos zambujeiros centenários enquanto o sol nasce. assistir diariamente ao nascimento do sol tem sido uma forma eficaz- e bonita - de recordar que estou vivo, que continuo vivo, como algumas das mensagens que recebi há vários meses apontavam. 


[ o que vai acontecer já está acontecendo 💚]