Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

limbos verdes

limbos verdes

24 Set, 2022

pequenos mundos

suculentos


Há cerca de um ano sem produzir plantas e arranjos - comercialmente- o telemóvel decidiu lembrar-me: arranjos inspirados na técnica japonesa Kokedama.
Foram os que mais gozo me deu fazer! Ao longo do tempo em que trabalhei com plantas suculentas fui usando - quase  sempre - madeira e ceramica como suporte das plantas/arranjos. Quando cheguei a esta técnica em concreto fiquei mesmo contente, porque não há - praticamente- nenhum outro tipo de material, a não ser plantas e terra.  Não era obrigatório, mas apresentei-os numa base de cortiça. Até a forma foi das que mais gostei, de todos os que fiz: lembra pequenos planetas - de suculentas. 

Na primeira imagem, o arranjo tem cerca de um metro de diâmetro. A echeveria glauca em floração neste arranjo estava absolutamente exuberante!
Um dia destes volto a fazer. Agora para mim! :) 

 

 

11 Set, 2022

sobre hoje

D94926F4-F719-4246-86B5-1FC00AB2321D.jpeg

breve passeio esta manhã. 
quando cheguei perto desta(s) árvore(s), uma bela coruja dourada voa alguns poucos metros até nela pousar. ficou alguns segundos à minha procura, perceber o nível de ameaça. a seguir, lançou-se num voo suave. as asas mal se moviam. sem som, praticamente.
que ave elegante. 

esta manhã esteve assim.
suave, mas viva. 

AC7EFEDC-CCF0-4567-9BB4-370621CF2F81.jpeg

AE3514D6-37AD-46C5-8EE0-E55F41E4C9C3.jpeg

80D10759-B9C6-450F-AAAA-7C3DF8058A5F.jpeg

B4D96012-CB14-4122-8D76-41A7B3DA95D0.jpeg

11 Set, 2022

#layers

[porque é domingo]

 

 


 

 

 


versão concentrada dos posts #layers do ano passado. a coleção não cabe toda neste post :)


[não por causa destas imagens em particular, mas por vezes ocorre-me: será que tudo o que existe é/foi/será um coração algures no tempo, algures nesta expansão de vida.]

09 Set, 2022

este jardim

com árvores dos desejos

 

5E3EC99B-E2AF-4B11-850C-E93D03764A03.jpeg

este planeta onde nos encontramos - a nossa casa - é, na verdade, um jardim. 

nada nesta afirmação é exagerado. 


vivemos num jardim.
vivemos porque este jardim existe. 

não pensamos na relação que mantemos com as suas plantas. escapa-nos ao olhar e, portanto, parece-nos que não existe. mas ela existe a cada segundo da nossa existência. uma relação perfeita. sem ela, nem a nossa nem muitas outras formas de vida existiria. racionalmente grande parte da população parece ter esta informação algures, mas a vivência consciente desta relação existirá? 

inspiramos o que as plantas produzem e, depois, expiramos o que elas assimilam

que relação maravilhosa!
constante. 

estar consciente desta relação. contemplar os 'canteiros' existentes estimular esta ligação vital que nos une às plantas. manifestar/plantar novos 'canteiros', deveria ser uma prioridade nossa enquanto espécie/comunidade. é, parece-me, fundamental neste período que atravessamos de crise ecológica, climática. aliás, estas crises são exactamente sobre esta   - ausência-de - consciência/relação com os 'canteiros', com o jardim, num certo sentido. 

os desafios são imensos. 
mas este post não é sobre eles.

é apenas sobre esta constatação: 

vivemos num jardim e que maravilhoso isso é! 

com mais ou menos consciência, com mais ou menos empenho somos todos aprendizes de jardineiros




 

algumas ligações que têm muito a ver com o sentir esta relação. a última delas uma fórmula que pode ajudar muito a manifestar- também- mais e mais canteiros e sentir gratidão por todos eles: 

• exemplo de um olhar vivo, sentido, unido ao grande 'canteiro' que é a floresta da Amazónia. foi uma surpresa tão boa ter encontrado este documentário e saber mais sobre esta ilustradora: 

• exemplo de uma arquitetura aparentemente simples, num país que me atrai cada vez mais,onde o diálogo - essencial/ vital - entre o interior e o -s- exterior - canteiros - ocorre

kalpavriksha ou a árvore dos desejos: 

'uma mente humana bem estabelecida é designada como kalpavriksha ou a árvore dos desejos que concede todas as benesses.

(...)

o seu destino é escrito por si inconscientemente . se dominar o seu corpo físico, 15% a 20% da sua vida e do seu destino estarão nas suas mãos. se dominar a sua mente, 50% a 60% da sua vida e do seu destino estarão nas suas mãos. se dominar as suas energias vitais 100% da sua vida e do seu destino estarão nas suas mãos. 
(...) 

quando os seus pensamentos se organizarem, as suas emoções também se ordenarão. gradualmente, também as suas energias e o seu corpo coincidirão no mesmo sentido. 
(...)

por fim, quando ... estiverem canalizados no mesmo sentido, a sua capacidade de criar e manifestar o que deseja tornar-se-á incrível.'

sadhguru, engenharia interior - um manual prático da alegria e do bem-estar

[no fundo, é o que referineste post, há vários meses, sobre vibrar na frequência do coração, quando os vários corpos estão direcionados/unidos num só propósito ]

 

'so, all that you need to do is commit yourself to creating it (...) organizing the four elements of your life [mind, body, emotions, energy] will give you that acess (...) transforming yourself from being just a piece of creation to became a creator.'

 

[ananda]