Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

limbos verdes

limbos verdes

orquídeas silvestres

 

FF938480-0378-4605-BA4C-0AA5039B023D.jpeg

As únicas Ophrys fusca que se mantêm em floração, são apenas os três pés - mais altos - que encontrei num local com sombra parcial. Será a última semana para usufruir da sua beleza. Parece-me. 

AE8970AC-BF3F-44D1-A2E2-3D00AD0975A8.jpeg

DA0CE220-BAE5-4C44-ADD5-D040BC452948.jpeg

E5D1D630-978A-4BA4-9AD0-58A79008745C.jpeg

Nunca vi tantas Cephalanthera longifolia como agora. Não sei se por ter havido muita precipitação em janeiro/fevereiro contribuiu para a crescimento e floração de mais plantas, relativamente a anos anteriores.

9FDFEB33-227F-4E05-B119-982DDE86469D.jpeg

As Anacamptis pyramidalis estão a crescer um pouco por todo o lado, como é habitual. Nesta primeira imagem: um encontro do escape floral deste ano com o do ano anterior. 

07F1819D-15E4-4055-ACB7-9B2CB7AD3BF0.jpeg

C5015362-370E-46D8-AF63-74C9F5148A11.jpeg

F9EB2D06-99AF-4A60-8B34-EDEA0BEEAE8E.jpeg

As que apareceram nos últimos dias: Serapias parviflora.

2E67C600-45ED-485D-9A14-082A8EA397B4.jpeg

FC3393B7-0A48-4179-8EAE-176197DD3C8E.jpeg

Muitas Orchis italica continuam em floração, com os seus diferentes tons de rosa, do mais pálido ao mais vivo. 

B42006CB-0654-4187-A12F-0D3A8C48685D.jpeg

C3F86722-2393-4F6D-8DD5-054682444F96.jpeg
Muitas Orchis anthropophora ainda em floração. 

B88FCCFF-B1F4-41D8-83C6-B3BB5C83FDFD.jpeg

E concluo com a única planta desta espécie- e que vi pela primeira vez este ano - uma variante natural da Península Ibérica: Ophry speculum subsp. lusitanica.

30 Mar, 2021

o castro

meu, nosso

 

D9ADB65B-6EBF-4ACE-B119-03A5DDBE312D.jpeg

O Castro (do Zambujal) significou coisas diferentes, para mim,  ao longo do tempo. Fica a 1km do local onde vivi grande parte da minha vida. Sempre fez parte. Estimulou o imaginário num primeiro momento e a relação com o passado depois. Mas também serviu de inspiração para desenhar um vaso, mais tarde. Agora, no presente, representa outras coisas, ou uma mistura de várias. 

Durante  a infância, alguns de nós, que vivíamos numa aldeia próxima, percorríamos esse km para vivermos  as aventuras em 'primeira mão'. As primeiras memórias são de entrarmos numa gruta, na encosta em frente ao castro, deitados. Entrávamos a rastejar e só depois chegávamos a uma sala onde já era possível permanecer de pé. Há coisas que ficam memorizadas para sempre: o cheiro, a adrenalina, o entusiasmo de estar a 'entrar' na terrra, o fresco da rocha. Chegar a esta gruta implicava atravessar a ribeira (de pedrulhos),  só possível nos meses de verão, quando está seca ou com pouca água. Alguns miúdos mais velhos afirmavam existir outras grutas, algumas com passagens secretas para o castelo de Torres Vedras. Servia para temperar a experiência a crianças com menos de 10 anos.  E funcionava, garanto. Aventura, fantasia. Era o que significava o castro. Não tinha qualquer referência histórica nessa altura. 

0CD68AFC-F3AF-415D-82D0-0C296FC16B23.jpeg

A ribeira, precisamente no local onde a atravessávamos. 

47D97080-5B4F-40D6-9957-D24E84DFB53E.jpeg

Eu, com  12 anos, numa ida ao castro de bicicleta. Não é visível nestas fotografias, mas a vegetação estava praticamente toda queimada. Era uma prática comum  feita por alguns caçadores, no período antes da caça.

36CE0EBD-6D47-44FA-821C-E637D8814A9F.jpeg


Durante a adolescência começo a olhar para o fortificado e fazer perguntas:

' quem é que viveu aqui e quando? que vista tinham...' Pensei tantas vezes. 
Só mais tarde, em conversas com um primo, que vivia em Lisboa mas que se interessava por estas coisas, fui tendo mais informação (isto foi na era pré internet). Visitei depois o museu   municipal Leonel Trindade, no centro da cidade, vi as peças de cerâmica que foram retiradas do local, durante as várias escavações arqueológicas. Percebi a importância das linhas de água, naquele altura, para as trocas comerciais (a ribeira de pedrulhos, o rio sizandro e a bacia hidrográfica, esta última mesmo ao lado da casa dos meus pais) e entendi  a localização do castro: ver quem vem do mar sem ser visto, estar protegido. 

F8E47D28-C583-4688-B5E1-9AB8B04DA9D6.jpeg

24806DEA-DF23-4319-B790-A4220E3DE3E7.jpeg

 

ECEED54C-187A-4BAD-9031-E3C01016C5C5.jpeg

B5B6951F-D71B-41A9-A31C-1A6F927D0F05.jpeg

4EBB0967-15D2-4812-884B-BB8AD60DAD9B.jpeg
Equipas que participaram nas escavações de 1968 e de 1970. 

76468131-ADE6-4447-AD81-C8D480C275C3.jpeg

68B72A5A-1150-41A1-8FE3-D898E2444405.jpeg

Parte da casa construída com as ruínas do castro e que foi habitada até há pouco tempo. Depois das obras de requalificação - 2018- a outra parte da casa serve agora de apoio às pessoas que aqui trabalham. 

4F604CC2-EA60-4968-8281-CEBC32F07B2D.jpeg

2CDC6896-FE09-4E24-8C5B-BBFCD1D200EC.jpeg

No início da década passada desenhei um vaso, em forma de telha, inspirado neste sedum e no local onde crescia. 

Varias peças de cerâmica, e não só, em exposição no museu municipal Leonel Trindade. 

84702F1F-29A8-4A35-8D48-56B72F759A5A.jpeg

78A69B7F-950F-43F8-8E8A-8DFA5793A377.jpeg

C71FF096-824D-421F-B536-27F9EF149634.jpeg

8E965E42-BA11-454A-AA79-FCEF17FD9A5D.jpeg

CE21A447-FB14-4CF6-8954-5DAD777142CC.jpeg

7554D28E-5A85-4705-9ACB-55F152144B0F.jpeg

3E4C3D49-4B63-4D72-9C25-1C62990C99B2.jpeg

No final de 2018 foi inaugurado após implementação de um projeto de melhoria. Foram construídos passadiços e alguns acessos, o que permite uma mais fácil circulação pelo espaço, assim como trabalho de restauro na estrutura arqueológica. 
Tenho mixed feelings relativamente a esta intervenção. Na altura das obras tive oportunidade de conversar com alguns técnicos intervenientes e confirmar o seguinte: a estrutura do castro teria cerca de 20 hectares, portanto, esta obra soube a pouco, porque incidiu na área já a descoberto. Grande parte da estrutura continua debaixo de terra e da vegetação. Mas, por outro lado, se tivessem escavado e destapado área em volta, receio como estaria neste momento o estado da vegetação.  Numa das conversas com equipa soube que foi feito um estudo, por uma académica alemã, sobre a flora deste local - sei que a CMTV ficou com uma cópia, mas ainda não consegui aceder. 

7481CA64-61A3-4771-9ADE-3AF5B0ED4A95.jpeg

347E5035-0D7D-4603-A130-6D87004C0ED3.jpeg

A21A3E39-3868-4BFF-A751-AEA7D1029F9A.jpeg

89213DC6-66F3-4E50-8704-2155EA9C516D.jpeg

DE1DDA47-9CC5-4E8D-9A08-6F1AA72D10F3.jpeg

675CD596-172E-4BD0-9BE7-E2A26BDA2290.jpeg
3627EB4F-128F-43CA-ACD9-7D8CB03FFAEB.jpeg

O castro não é só fortificado, não é só pedra, não é só memória do que fomos e de como vivíamos há 3000 anos. O castro é presente. É, também,  esta área envolvente. A Câmara Municipal de T. Vedras decidiu adquirir, e bem, vários hectares em volta, e essa área é hoje um pequeno santuário da nossa flora autóctone - os zambujeiros, que lhe dão o nome, os mais de 5 géneros de orquídeas silvestres, passando pelas íris, entre muitas outras plantas.   O próximo passo deveria incluir a vegetação como atração, a par da estrutura arqueológica. Também ela 'nossa', 'rica', que deve ser preservada e sobre a qual é imperioso que seja feita pedagogia. Se o fortificado é história e património, a vegetação que cresce em volta também o é.  O contexto do castro é, quanto a mim, um excelente pretexto para falar, também, das - urgentes!- questões ambientais. 

11CA8CA8-BFE7-4975-A979-6F12A2B43513.jpeg

C1193EE4-E110-4422-9A90-3EBE6CF204E8.jpeg

8AC93CAD-EF8A-4D41-AF2A-34353204497B.jpeg

 

F4070135-F191-4A1E-947C-41D2EE8BC90B.jpeg

[ Vi recentemente a série Romulus. Uma perspetiva das convulsões que antecederam a criação da cidade Roma. Este evento e a ocupação deste castro terá ocorrido na mesma época, de forma aproximada. Apesar de não ser a intenção de quem fez a série, como é óbvio, tentei encontrar nela alguma coisa que me ajudasse a compreender o povo que por aqui viveu,  nesse período: A relação dual com a natureza - floresta - venerada e temida, por exemplo, e o sentimento de segurança conferido por se viver em comunidade.]

8BCA9D67-DAF4-433D-A9B2-58F6DF32ADFA.jpeg

AD16FC92-074E-4008-B6D9-32869B35E415.jpeg

 

28 Mar, 2021

textura

EA6075EC-831E-469D-AFEA-DE4B3981E11C.jpeg

EF79773C-8412-4703-9331-69B36012656F.jpeg

55610A46-F579-488A-AA82-724A6D87BBA9.jpeg

tex.tu.ra

nome feminino
 
1. ato ou efeito de tecer
2. tecido
3. forma, arranjo e distribuição das partes de um todo; contextura; organização
4. disposição das moléculas nos corpos homogéneos
5. aparência
6. consistência
 
in  infopedia.pt

 

 

montejunto (3)

 

EAFF8A92-F398-45D6-8F58-4CF030F8E82A.jpeg

1058A87E-97C0-4E95-BD6F-600BE55C299E.jpeg

75C500FF-AACB-4B68-AE83-8D3E2B64F411.jpeg

6E0E30F3-4835-4BDA-8902-3E96E0C8E16D.jpeg

FCA3AE16-BE15-4BF3-9277-1DE8058B35DC.jpeg

CA5E661F-4DC4-465C-A77D-65EEEEC6E63B.jpeg

FB28B59B-EDF8-4F40-AFF9-36FE1A4CC15B.jpeg

16CFC0A9-A188-4FA8-8EED-7D27CCC96ECE.jpeg

Narcisos bulbocodium ainda resistem, assim como as 'orquídeas gigantes' - Himantoglossum robertianum. O fresco que se sente nestas altitudes tem destas coisas. Há florações que começam e terminam mais tarde. Por aqui - Torres Vedras - já não é possível encontrar narcisos, por exemplo, e a orquídea que referi também não é possível encontrar com uma floração 'perfeita', pois já estão na fase seguinte. 
Echium vulgare, vários Sedum, Dianthus e muitas orquídeas- Orchis mascula, Orchis anthropophora e uma Orchis mascula alba. Muitos, muitos, muitos alecrins carregados de flores. 

02F23AA7-9A3B-45C6-A7CE-40ADFE78E117.jpeg

88472529-9000-461B-8DB9-2EF03051768E.jpeg

6919D43B-633C-4D1F-89ED-CFB98A11AC4B.jpeg

0808DEBF-6483-4688-8153-1276475DA08E.jpeg

D4E964FC-B7BB-487E-9166-9AC2C2329FEE.jpeg

F77CA8D0-2876-4C23-8E84-5C6C3A00058D.jpeg

05D6DCE5-96DE-4D77-B0B6-F4CC4C0622DB.jpeg

 

93B0703C-7EFF-45FC-9900-B68B5143C112.jpeg

88F3EB76-22B1-427C-A68E-802681D4FE7B.jpeg

[Sempre que aparece uma linha de dourado ao fundo é o mar a refletir o sol.]

pelos trilhos

depois dos trilhos

Fim.

 

Pág. 1/5