Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

limbos verdes

limbos verdes

11 Fev, 2021

*new one

B0D1341B-0999-4E07-A22B-0CC7F463892C.jpeg

Por sorte, ou talvez não, quando me preparava para voltar para casa, encontrei pela primeira vez seis pés desta orquídea silvestre, Ophrys fusca - devido várias características, época de floração, altitude, numero de flores igual ou inferior a três, há quem a considere Ophrys pintoi.  Antes de a ter encontrado fotografei várias outras plantas silvestres. Tinha acabado de cheirar o aroma de um jacinto silvestre - fresco embora com toque  intenso no final - senti-me grato por ter tantas flores tão bonitas já abertas, a pensar nalguns objetivos muito especiais em simultâneo, quando vejo estas plantas com metade da altura do meu telemóvel. Tremi, suspirei, sorri, agradeci,... :) 

(as fotografias que fiz antes, das outras plantas silvestres, partilharei depois. apesar de ter saído de casa sem lente macro, foram estas as fotografias possíveis, mas depois deste encontro... who cares? :)) 

8658079B-A029-46E0-AF43-FF2685EB5CBC.jpeg

E97937A3-27A4-4C3F-85E2-A140542053B7.jpeg

403CF99C-54CA-49CF-B014-52C699DBFA5F.jpeg

 

 

5E03DB73-9E70-45AA-A331-F43F50DEEA24.jpeg

A7E2F62B-7259-46D2-A731-BEE66329C30A.jpeg

6F79733B-29BD-41E9-A34D-3686484D39B4.jpeg

Temos tido várias semanas de chuva. Se andarmos atentos debaixo das copas das árvores,  percebemos que a vida cresce por todo o lado, de diversas formas, com tanta humidade. Não sendo exaustivo, aqui fica um apanhado da vegetação que tem crescido nos locais sombrios e húmidos, por aqui. 

4BCF03F6-536C-430D-A506-72FDF17A29A5.jpeg

Polypodium vulgare - feto doce - surge nas zonas sombrias: fendas das rochas, troncos das árvores, muitas vezes com musgo à volta. A sua família-Polypodiaceae- vem do período Cretáceo.

409875BC-8EA0-4D61-942B-D15529BB490F.jpeg

Hydrocotyle vulgari, pequena planta rastejante com folhas em forma de guarda chuva, conhecida como planta da fortuna, muito comum nalgumas ilhas dos Açores, Europa. Pode ser cultivada facilmente indoor.

FA7C7264-2181-47C1-9522-301F6AFF0042.jpeg

7B08999B-C24C-46B7-A66F-4CDA963A96DE.jpeg

13A7CAAF-44B9-4D3A-8D4D-A56B879F5D60.jpeg

O Asplenium ceterach - Rustyback - é uma samambaia que também cresce nas fendas de rochas e prefere locais montanhosos, contudo pode desenvolver-se ao nível do mar e com exposição solar direta. É um dos meus preferidos, pela forma das folhas. 

3F6487E3-103D-4908-8043-322C6CAD2CAD.jpeg

Asplenium adiantum-nigrum, conhecido por feto-negro ou avenca-negra, é também uma especie comum de samambaia.

A4F3A1A2-CF3D-4451-BF5C-E35F4AE4052F.jpeg

(Fotografia: um Asplenium adiantum nigrum e um Polypodium vulgare com pouco tempo de vida)

174A5E0A-154A-417E-91FE-073118654037.jpeg

3724D467-90EB-4012-95ED-29792DCF789D.jpeg

Ruscus aculeatus, perene, pode formar um pequeno arbusto. Faz parte da lista d plantas protegidas por ser muito procurada por motivos ornamentais. Os rebentos jovens são comestíveis. Reproduz-se pelo rizoma ou pelas sementes, dentro das bagas vermelhas. Floração e frutificação inverno.

20CAF191-2B17-4A3F-8257-D6247A5BF78F.jpeg

Smyrnium olusatrum, também conhecida por salsa de cavalo tem estrondosa estrutura, folhas bem dentadas, o caule grosso e oco. É comestível. Os ingleses chamam-na alexanders (alusão a Alexandria). Escapes florais até 2m. As sementes escuras têm aroma a mirra.

 

CEA594C7-4980-4B55-B635-1637981D0671.jpeg

A9484CD6-A9FC-4520-B26D-A222E7C336A1.jpegEncontram-se também Hyacinthoides hispanica em floração, neste momento. As folhas finas, longas, as flores azul/púrpura delicadas. 

(Fotografia: folha de ranunculus ficaria com forma de coração invertido)

1D905F46-B6AC-445F-9B5C-99441150D795.jpeg

D3B34BFF-22FB-48DD-9944-420A4919B59C.jpeg

14CFF136-0B6D-4063-9626-D6ABBC14B6F8.jpeg

Com tanta humidade, entre folhas e musgo, encontram-se diversas bolotas a germinar. 

3EE9444F-D101-4B18-B221-36BD0011F3EA.jpeg

Mas, tem sido um período particularmente extraordinário para o desenvolvimento de diversos fungos. Aqui ficam várias fotografias:

CB333284-34CB-435C-89CC-EC79DCD28153.jpeg


3577E1D9-F9FF-4674-ACC5-62963D039498.jpeg

7664F296-0B95-4C4C-80BB-4D85BB2CFEEE.jpeg

E164FCA5-9388-4301-9A9D-77B2406698D6.jpeg

4F6EE01A-444A-416F-8DC2-BAFBBF750DED.jpeg

A85D4236-182B-4E97-A1D4-DA06B123C5E8.jpeg

 

07 Fev, 2021

vida impossível

 

F89F5A01-48C4-439B-9FCD-457E308DD87A.jpeg

813B93B5-FA97-4F44-AE60-248D0542A053.jpeg

' Se amanhã as plantas desaparecessem da Terra, a vida do homem duraria poucas semanas, talvez alguns meses, não mais. Em pouquíssimo tempo, as formas animais de vida superior desapareceriam do planeta. Se, pelo contrário, quem desaparecesse fôssemos nós, no curso de poucos anos as plantas retomariam a posse de todo o território anteriormente subtraído ao âmbito natural e, em pouco mais de um século, todos os rastos da nossa milenar civilização estariam cobertos de verde. Talvez isto pudesse bastar para nos dar uma medida da diferente importância relativa, em termos biológicos, das plantas e do homem.' 

in 

Verde Brilhante, a sensibilidade e a inteligência das plantas. 

Stefano Mancuso e Alexandra Viola